Seminário Arte, feminismos e emancipação

Atualizado: 12 de Dez de 2019


Biblioteca do Clube do Comércio – 3º andar, 06 de novembro de 2018


O feminismo contemporâneo promove uma agenda transgênera e intersexual que debate a simultaneidade das opressões sociais: sexismo, racismo, homofobia, xenofobia, classismo. Hoje, o termo feminismo significa o mesmo que nos anos sessenta e setenta? Podemos nos referir a uma nova onda de feminismo, depois do pós-feminismo? Qual é a relação entre esses debates e o campo da arte? Como os artistas contemporâneos se posicionam diante das agendas do feminismo? Essas questões são centrais para a cultura brasileira contemporânea.

As histórias da arte foram escritas a partir de critérios exclusivos que tornaram as artistas invisíveis por razões de gênero e raça. Este seminário propõe a ativação de um espaço de conhecimento sobre agendas urgentes em torno do gênero feminino, queer, trans, não normativo, intersexual. Trata-se de desdobrar campos de conhecimento que entrecruzam poéticas, ativismos da imagem e do corpo. Se o feminismo é uma maneira de entender o mundo, um campo de conhecimento não excludente que envolve a todos nós, é indispensável expandir os processos de transformação em que estamos imersos. As sessões deste encontro estão concebidas como o desdobramento de uma agenda de temas que se discutem no campo da arte, da cultura e da lei.



A história da arte foi escrita a partir de pontos de vista e gostos que constituíram o cânone predominantemente patriarcal da arte. Como perguntaram e destacaram as Guerrilla Girls: “As mulheres precisam estar nuas para entrar no Museu de Arte de São Paulo? Apenas 6% dos artistas do acervo são mulheres, mas 60% dos nus são femininos”. Este coletivo de artistas formado nos Estados Unidos em 1985 nos oferece gráficos com porcentagens que caracterizam as coleções e as exposições de todos os museus do mundo. Apesar de sua maioria demográfica, as mulheres são marginalizadas no mundo da arte. De diversas maneiras as artistas fizeram intervenções na lógica que articula o cânone da arte. Em primeiro lugar o fizeram sutilmente; atualmente seus apontamentos e ações tomaram força, acompanhando, amplificando e ativando a crescente onda do feminismo internacional.

Transformar o mundo através da arte: tal é o desejo que alimentou o ativismo artístico durante o longo século XX. O ativismo feminista é, principalmente, a voz de um desacato generalizado em relação ao poder masculino que regula o estado do mundo e da arte. Um ativismo que opera a partir da realização de imagens, ações ou discursos críticos que intervêm nas formas do poder para erodi-lo. Interferem quando participam das lutas sociais ou quando se manifestam sobre a invisibilização das mulheres no mundo da arte. Ao menos desde o século XVIII encontramos vozes dissidentes. Vozes que se posicionam sobre o estatuto da mulher em geral, sobre as normativas de gênero e sexualidade e sobre as mulheres artistas em particular. Em uma arqueologia da cultura do Ocidente recortam-se os comentários sobre arte que podem ser encontrados nos escritos de Germaine de Staël, Élisabeth Vigée-Lebrun, Marie d’Agoult, ou B., atentas à instrução das mulheres em função de sua emancipação e inclusive, como se pode acompanhar nos escritos de Johanna von Haza, a um questionamento das identidades de gênero e de raça.

Desde o final dos anos sessenta o feminismo inscreveu um capítulo específico e radical na arte do pós-guerra. Trata-se de propostas estéticas cujas estratégias romperam as bases patriarcais do gosto para trabalhar a partir de fazeres e materiais não hierarquizados no repertório da grande arte (tecidos, rendas, bordados, cerâmicas, porcelanas, vernizes e esmaltes, marginalizados pelas linguagens maiores da pintura e da escultura), ou com temas femininos (a casa, a maternidade, as substâncias tabu do corpo). Tratou-se e se trata de rebeliões da linguagem e de iconografias que se integram como zonas de investigação e como espaços de ativismo: desde a afirmação de que o pessoal é político, até as denúncias de abusos, violações, violências físicas e psicológicas contra a mulher. Trata-se de sinais que conformam também o núcleo da agenda contemporânea, na qual é central a luta contra os feminicídios. Trata-se dos direitos sobre o próprio corpo.

A experiência do espaço Womanhouse em Los Angeles ou a obra de Judy Chicago ou Miriam Schapiro são as cenas e as vozes a partir das quais se ativou o feminismo artístico no início dos anos setenta. O cinema, as revistas, as pedagogias foram campos do ativismo artístico. Foram-no as imagens das artes pictóricas e escultóricas, e também a intensa politização dos corpos que se produziu a partir das performances, da fotografía ou do vídeo em artistas como Esther Ferrer, Mónica Mayer, Maris Bustamante, Lea Lublin ou Josely Carvalho. A psicanálise freudiana ou lacaniana, a sociologia, em articulação com as sucessivas agendas do feminismo, formaram os campos de conhecimento a partir dos quais atuaram para desarmar os estereótipos sobre a mulher e o binarismo. Cartazes urbanos, estênceis, estatísticas, são as linguagens gráficas a partir das quais deram e dão visibilidade a suas ações na esfera pública. No ativismo feminista contemporâneo podemos mencionar as exposições de Ciu Xiuwen e Cui Guang Xia na China, as estratégias das Pussy Riots na Rússia, as Mujeres Públicas ou Nosotras Proponemos na Argentina, as Trabajadoras del Arte y la Cultura no Chile, a carta coletiva “We are not surprise” nos Estados Unidos, a carta sobre o machismo no festival de fotografia de Arlés na Europa, a obra de Lady Skollie contra as violações na África do Sul, ou o graffiti de Panmela Castro sobre os altos índices de violência contra as mulheres nas ruas do Rio de Janeiro, ou o ativismo negro e feminista levado adiante desde os anos setenta por Suely Carneiro em São Paulo.

Existe um intenso e crescente ativismo curatorial que se centra em exposições que contribuem para gerar corpus de obras de artistas invisibilizadas pelas histórias da arte e mapas globais ou regionais que permitem dar corpo a uma história da arte que contesta àquela dominante, baseada em uma tradição na qual artistas homens constituem de 80 a 90% do relato principal – porcentagem que apenas recentemente começa a mudar, precisamente, a partir do ativismo artístico feminista. Aquilo que na década das mulheres (1975-1985) não chegou a se modificar começa a dar sinais de uma transformação.

Desde os anos 70 é crescente o ativismo artístico vinculado a estéticas lésbicas, gay, trans, queer/cuir centradas em sexualidades fluídas, em corpos feminilizados e na problematização dos essencialismos. São visíveis em grupos como Chaclacayo ou no Museo Travesti de Giuseppe Campuzano, ambos no Peru ou nas propostas de Jota Mombaça no Brasil. Estéticas lésbicas, gay, trans, intersexuais, inclui-se na denominação proposta como feminismo(s): o feminino ou feminilizado como o outro excluído e marginalizado.

Estas menções apenas começam a desenhar um marco de referência sobre uma cena que se expande na contemporaneidade e cujos casos específicos este seminário tem como propósito cartografar e investigar.



Primeira sessão 10h30 -12h30 Políticas do conhecimento


O seminário começa por abordar os discursos da lei, o ativismo trans e a história da arte escrita em primeira pessoa para analisar o lugar das mulheres e do feminino na sociedade e na cultura.

Apresentação do Seminário:

Andrea Giunta

Curadora da Bienal 12, professora e pesquisadora, Universidad de Buenos Aires / CONICET

María Berenice Días

Presidente da Comissão de Diversidade Sexual do Conselho Federal da OAB. Vice-Presidente do IBDFAM - Instituto Brasileiro de Direito de Família

Gloria Crystal

Artista, foi secretária adjunto da Livre Orientação Sexual de Porto Alegre, sendo a primeira representante da comunidade LGBT a ocupar uma posição como esta no país

Roberta Barros

Artista e pesquisadora, autora de Elogio ao toque ou como falar de arte feminista à brasileira (2016)

Coordenação: Andrea Giunta


Segunda sessão 13h30-15h Poéticas do corpo. Arte, ativismo e performance


Esta sessão lida com a política do corpo, formas de ativismo artístico e a relação entre feminismo e performance.

Alice Porto

Artista e ativista. Marcha dos Vadios, Parada Gráfica y Zines

Julha Franz

Artista sensorial. Diretora artística de drag queens no Workroom bar, em Porto Alegre

Claudia Paim

Artista visual

Coordenação: Carmen Lucía Capra

Professora e Coordenadora da Graduação em Artes Visuais: licenciatura Universidade Estadual do Rio Grande do Sul – UERGS. Líder do Grupo de Pesquisa Flume Educação e Artes Visuais (CNPq/UERGS)



Terceira sessão 15h30-17h Reconfigurando o conceito da Arte

A história da arte brasileira e a história da arte em geral foram escritas a partir de critérios exclusivos que tornaram as artistas invisíveis por razões de gênero e raça. Esses critérios estão em processo de mudança?

Rosana Paulino

Artista, professora e pesquisadora autônoma

Coordenação: Andrea Giunta e

Igor Simões

Doutorando em Artes Visuais - História, Teoria e Crítica da Arte pela UFRGS, professor assistente na Uergs e curador

Performances de Claudia Paim e Julha Franz 17h

*Roberta Barros autografa seu livro Elogio ao toque ou como falar de arte feminista à brasileira (2016) às 18h30, na Praça de Autógrafos.


*A entrada será por ordem de chegada.

Realização: Fundação Bienal do Mercosul 64ª Feira do Livro

Patrocínio: CMPC Celulose Riograndense


Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul

Rua Gen. Bento Martins, 24/1201 - Centro

CEP 90010-080 | Porto Alegre - RS 

contato@bienalmercosul.art.br

+55 51 3254 7500

  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Instagram Icon

PATROCÍNIO:

REALIZAÇÃO:

FINANCIAMENTO:

Site criado e desenhado pela EROICA conteúdo